Tenossinovite

Por: Dr. Sonival Azevedo Oliveira

A tendinite é uma condição de alta incidência, caracterizada pela inflamação de um tendão. A tenossinovite é um termo menos conhecido, mas que se refere a um subtipo de tendinite. A diferença é que nos casos de tenossinovite ocorre uma inflamação na bainha do tendão, um tipo de cobertura protetora.

A doença pode se desenvolver em qualquer tendão que seja envolto por uma bainha, mas acomete principalmente pés, mãos e punhos. As condições mais comuns dentre essas são:

  • tenossinovite De Quervain, caracterizada por um processo inflamatório nos tendões no lado do punho referente ao polegar — abdutor longo e extensor curto;
  • tenossinovite estenosante dos flexores, que provoca a contratura de flexão nas articulações, dificultando os movimentos de dobrar e esticar o dedo afetado, sendo, por isso, conhecida como dedo em gatilho.

As tenossinovites são causadas por infecções, fatores autoimunes ou por uso excessivo. Os sintomas mais referidos são dor, inchaço e contratura. O tratamento depende das causas identificadas, mas comumente são utilizados medicamentos para aliviar a dor e melhorar a movimentação do membro afetado.

Fatores que causam tenossinovite

A tenossinovite pode ter origem em causas infecciosas e não infecciosas. Os quadros de infecção são provocados por patógenos que se proliferam dentro das bainhas dos tendões. Entre os microrganismos encontrados estão Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis, Streptococcus beta-hemolítico, entre outros. Casos raros são causados pelo Mycobacterium tuberculosis.

As causas não infecciosas são divididas em lesões por uso excessivo, fatores autoimunes e condições idiopáticas (sem etiologia esclarecida). A tenossinovite por uso excessivo inclui as conhecidas lesões por esforço repetitivo (LER). Já os quadros de origem autoimune têm forte ligação com doenças como artrite reumatoide e artrite psoriática.

Por vezes, a causa da tenossinovite não é encontrada, sendo a doença classificada como idiopática.

Principais sinais e sintomas de tenossinovite

Os sintomas podem variar conforme a causa e a extensão da tenossinovite. De modo geral, as principais manifestações são dor, inchaço e dificuldade de mover a parte com o tendão inflamado. Nódulos e deformidades nas mãos são comuns quando a tenossinovite está associada à artrite.

Nos casos de dedo em gatilho, os sintomas incluem dor na palma da mão, na base dos dedos e no trajeto dos tendões flexores. Esticar o dedo afetado pela lesão pode ser muito difícil e doloroso, sendo necessário usar a outra mão para completar o movimento. Nos casos mais graves, ocorre a contratura fixa e o dedo permanece flexionado.

A tenossinovite de De Quervain é marcada por dor e inchaço na lateral do punho referente ao polegar e na base desse dedo. A dor é exacerbada pelo movimento do punho e a inflamação tende a aumentar com o desempenho contínuo das atividades funcionais. Esse quadro é bastante comum em mulheres nos períodos de gestação e puerpério, devido às alterações hormonais.

Avaliação diagnóstica

A avaliação clínica com foco nas possíveis causas da tenossinovite é fundamental, uma vez que o fator etiológico, quando identificado, orienta ativamente a forma de tratamento. Por exemplo, se o paciente relata sintomas de dor aguda associados a episódios de febre, pode ser indício de um quadro infeccioso.

A constatação da progressão lenta dos sintomas, com presença de nódulos e deformidades e história de artrite de longa data elucida essa causa da tenossinovite. Já quando o paciente apresenta história de esforços repetitivos, atividade laboral com ergonomia inadequada e sobrecarga nos tendões, suspeita-se do diagnóstico de tenossinovite por uso excessivo.

O exame físico revela sensibilidade à palpação no local da inflamação. Alguns testes podem ser aplicados, como o teste de Finklestein, próprio para a avaliação da tenossinovite de De Quervain.

A manobra consiste em fazer o desvio medial do punho fechado com o polegar flexionado na palma da mão, o que pode resultar em uma resposta dolorosa, que irradia até o cotovelo, seguindo o trajeto dos tendões doentes.

Análises laboratoriais e exames de imagem podem ser úteis na investigação das causas da tenossinovite, mas nem sempre são necessários. A avaliação de amostras de sangue é solicitada quando há suspeita de processos infecciosos e autoinflamatórios.

Técnicas de diagnóstico por imagem, como ultrassonografia e ressonância magnética, podem revelar o espessamento do tendão e outras anormalidades estruturais, embora não sejam solicitadas em todos os casos.

Opções de tratamento para pacientes com tenossinovite

O tratamento da tenossinovite infecciosa é definido com base no patógeno presente. Quando há necessidade de intervir prontamente, isto é, antes da identificação do agente causador da doença, podemos recorrer aos antibióticos de amplo espectro.

As opções de tratamento para tenossinovite não infecciosa abrangem o uso de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), imobilização temporária, mobilização articular, modificação das atividades prejudiciais e exercícios terapêuticos para fortalecimento.

Outra possibilidade de intervenção medicamentosa eficaz para redução da inflamação e da dor é a infiltração local com corticosteroides e xilocaína. Contudo, esses tratamentos são paliativos e nem sempre alcançam o efeito esperado. Quando a tenossinovite está avançada ou não há resultados satisfatórios com as terapias farmacológicas, o tratamento cirúrgico é indicado.